Destaques do 32º Encontro Plenário da EuroQol

Entre os dias 10 e 12 e setembro de 2015 foi realizado o 32º Encontro Plenário da EuroQol, na cidade de Cracóvia, Polônia. A Fundação de Pesquisa EuroQol é uma organização sem fins lucrativos, cujo objetivo é atender ao interesse público através do apoio e realização de pesquisas e do desenvolvimento de instrumentos que descrevem e valoram estado de saúde.

No evento foram apresentados materiais publicados e prévias de trabalhos em andamento. Dentre os grupos presentes destacam-se:

  • Large scale

Estudos que avaliam as aplicabilidades e interpretações que não somente QALYs. Englobam nesse aspecto as medidas relatadas pelos pacientes -os denominados PROMs- assim como estudos sobre a carga das doenças, em especial comparando as experiências de diferentes países.

  • Sistema descritivos

Introdução de variáveis que não são contempladas nos instrumentos originais, de forma a identificar possíveis interferências com os estados de saúde e a valoração destes.

  • Interface digital

Emprego de mídia social, inquéritos online e de aplicativos como ferramentas passíveis na aplicação dos instrumentos e na avaliação de qualidade de vida.

  • Educação

Investigação sobre como passar as informações para os usuários finais, eventos com a ISPOR e cursos. Demonstrado interesse e planos em ações na América Latina no futuro.

  • População jovem

Inserção das avaliações de qualidade de vida na população pediátrica e adolescente, abordando o EQ-5D-Y. Apresenta grupos interessados na investigação do impacto em cuidados paliativos em pediatria.

  • Valoração

Extração de valores e preferências em grupo de pacientes, avaliando as interpretações e aplicabilidades além QALY. Estudos envolvendo experimento de escolhas discretas como o “Best-Worst”.

 

Nancy Devlin, PhD
Nancy Devlin, PhD

O grupo da pesquisadora Nancy Devlin apresentou trabalho intitulado “A new valuation method: directly eliciting personal utility functions for EQ-5D”, propondo um novo método de valoração tendo em vista as diversas limitações reconhecidas pelas propostas já existentes; dentre essas barreiras destacam-se os processos de “efeito do entrevistador” e o “efeito do aprendizado”, que correspondem, respectivamente, às interferências resultantes de como o entrevistador se porta e conduz o estudo, e à característica de os indivíduos adquirirem progressivamente melhor precisão em suas respostas à medida que avançam nos questionários tornando a última série de respostas mais fidedigna do que a primeira. Ressaltou-se também a influência da heurística no processo de linguagem, a presença de inconsistências com respostas ilógicas e, sobretudo, a incapacidade dos instrumentos atuais de avaliarem o movimento entre os diferentes estados de saúde, ou seja, o peso atribuído pelos pacientes diante de uma transição entre níveis nas dimensões estudadas.

Emerge então uma proposta que se baseia no fenômeno de co-deliberação, entre entrevistador-respondedor, denominado “Personal Utility Function” (PUF). Iniciando com um exercício de “aquecimento” em que o indivíduo descreve através do EQ-5D e da escala visual analógica seu estado atual de saúde e o pior estado de saúde que já teve em sua vida. Prossegue a uma atividade de ranqueamento dos níveis das dimensões seguido pelo swing weighting utilizando a escala visual analógica. Diante de alguma inconsistência entre o ranqueamento e as respostas dadas na ponderação, o entrevistado é levado a refletir sobre suas respostas diante de ambas seções de forma a sanar a resposta ilógica.

O aspecto abordado por Devlin a respeito do impacto do entrevistador na coleta dos dados é ratificado através do estudo “The Indonesian EQ-5D-5L Valuation Study: Challenges and Solutions in The Quality of The Data Collection”, demonstrando que aqueles que seguem o protocolo e atuam de forma mais engajada resultam em uma melhor qualidade das respostas, apresentando menos flags e inconsistências.

Diferentemente do EQ-5D-3L, o instrumento EQ-5D-5L a despeito de dispor de modelos, não é possível valorar todos os estados de saúde estabelecidos por este instrumento. Diante desse cenário, foi apresentado um estudo de um grupo chinês com uma proposta de um modelo empregando uma estimativa por regressão intervalar. O trabalho é encontrado sob o título “Modeling Chinese Utility Values for EQ-5D-5L Health States: An Interval Regression Approach”.

O estudo publicado “A checklist for reporting valuation studies of multi-attribute utility-based instuments (CREATE)” foi apresentado e discutido durante o encontro, com a definição da forma final do checklist que visa orientar e estabelecer parâmetros básicos para o relato para publicação de estudos de valoração, auxiliando dessa forma a elaboração de um material de qualidade e minimizando as inconsistências e vieses. Acesso ao material na íntegra está disponível no link acima.

Estudo recente do grupo holandês do Dr. Bonsel abordou a questão do estados improváveis, que há muito vem sendo discutido sobre a incoerência de alguns estados de saúde no mundo real. No entanto, segundo dados do “Unlikely Health States: Evidence from Healthy and Diseased Populations”, identificou-se que não apenas tais estados de saúde existiam, como também eram muito mais comuns do que se esperava.

Um aspecto inovador discutido nesta edição foi o reconhecimento e inicio de avaliação das denominadas Avaliações e Motivações Relacionadas à Saúde (HRAM) que estão diretamente relacionadas com o processo de qualidade de vida, através de interações entre as características do indivíduo e do ambiente, englobando características como as variáveis biológicas e fisiológicas, status funcional e percepção de saúde.

Uma nova visão sobre como a valoração é conduzida também foi destacada sob a alegoria do termo “cloudiness and attributes”, remetendo ao fato de a atribuição de preferências em saúde ser um processo que depende da referência do indivíduo, dessa forma, cogita-se que uma pessoa diante de um quadro de depressão relevante possa influenciar na determinação das demais dimensões, “da mesma forma que um dia nublado possa interferir em nossas escolhas”.